Carreira

Glossário da Ciência de Dados

POR
Diego Dias

A escola de ciência e análise de dados Preditiva dedica-se a capacitar indivíduos e empresas a navegar por este mar de informações.

Como parte desse esforço, apresentamos este Glossário da Ciência de Dados, que visa esclarecer os termos e conceitos fundamentais da ciência de dados, aprendizado de máquina, inteligência artificial e áreas correlatas.

Este glossário serve como um recurso essencial tanto para iniciantes que estão começando sua jornada no mundo dos dados quanto para profissionais experientes que buscam aprofundar seus conhecimentos.

Quinzenalmente, exploraremos uma série de termos cruciais que formam a base da ciência de dados e suas aplicações.

Esperamos que isso não apenas esclareça as complexidades associadas à ciência de dados, mas também inspire você a explorar novas possibilidades e aplicações em sua própria prática profissional.

Compreender esses termos é o primeiro passo para aproveitar todo o potencial que os dados podem oferecer, ajudando a transformar informações em ações e decisões informadas.

Agora, vamos mergulhar nos termos essenciais da ciência de dados e descobrir como cada um contribui para a criação de soluções inovadoras e baseadas em dados.

A

Algoritmo

Um algoritmo é um conjunto definido de instruções passo a passo para resolver um problema ou realizar uma tarefa específica.

Ele pode ser considerado como uma receita ou um guia que descreve uma sequência de operações que devem ser executadas para alcançar um resultado desejado.

Os algoritmos são fundamentais para a ciência da computação e desempenham um papel crucial em muitas áreas da tecnologia e da análise de dados.

Na ciência da computação, os algoritmos são implementados em linguagens de programação para criar programas de software que podem automatizar tarefas, processar dados e realizar cálculos complexos.

Eles variam em complexidade desde operações simples, como ordenar uma lista de números, até tarefas mais complicadas, como criptografia de dados e aprendizado de máquina.

Análise de dados

A análise de dados é o processo de inspeção, limpeza, transformação e modelagem de dados com o objetivo de descobrir informações úteis, tirar conclusões e apoiar a tomada de decisões informadas.

É uma disciplina fundamental dentro da ciência de dados e se aplica a diversos campos, incluindo negócios, saúde, ciências sociais e engenharia.

A análise de dados pode ser realizada usando uma variedade de ferramentas e técnicas. Softwares estatísticos como R e SAS, plataformas de análise de dados como Python (com bibliotecas como pandas, NumPy e scikit-learn), e ferramentas de visualização como Tableau e Power BI são amplamente utilizados.

A análise de dados é essencial para transformar grandes volumes de dados em informações acionáveis.

Ela permite às organizações identificar tendências, prever resultados futuros, tomar decisões baseadas em evidências e ganhar uma vantagem competitiva no mercado.

Aprendizado de Máquina

O aprendizado de máquina é uma subdisciplina da inteligência artificial que permite aos sistemas aprenderem e melhorarem automaticamente a partir da experiência sem serem explicitamente programados.

Essa capacidade de aprender de dados permite que os computadores realizem tarefas que anteriormente exigiam inteligência humana.

O aprendizado de máquina envolve o desenvolvimento de algoritmos que podem identificar padrões em dados e fazer previsões ou tomar decisões baseadas nesses padrões.

Existem diferentes tipos de aprendizado de máquina, incluindo aprendizado supervisionado, não supervisionado e por reforço.

No aprendizado supervisionado, os algoritmos são treinados com dados rotulados, onde cada exemplo de treinamento é composto por uma entrada e a saída desejada.

O objetivo é aprender uma função que mapeie entradas a saídas, de forma que o modelo possa prever a saída correta para novas entradas.

Exemplos de técnicas de aprendizado supervisionado incluem regressão linear, regressão logística, árvores de decisão, máquinas de vetores de suporte (SVM) e redes neurais.

No aprendizado não supervisionado, os algoritmos são usados para encontrar padrões ocultos ou estruturas nos dados sem usar rótulos explícitos.

Isso é útil para tarefas como clusterização, onde o objetivo é agrupar dados similares, e redução de dimensionalidade, onde se busca reduzir o número de variáveis nos dados enquanto se mantém a maior parte da informação.

O aprendizado por reforço é uma abordagem diferente, onde um agente aprende a tomar decisões sequenciais em um ambiente interativo para maximizar alguma noção de recompensa cumulativa.

O agente recebe feedback na forma de recompensas ou penalidades baseadas nas ações que toma, e o objetivo é aprender uma política que maximize a recompensa total ao longo do tempo.

Essa abordagem é amplamente utilizada em robótica, jogos e controle de sistemas.

Algoritmos comuns de aprendizado não supervisionado incluem k-means, análise de componentes principais (PCA) e redes neurais auto associativas.

B

Big Data

Big Data refere-se a conjuntos de dados extremamente grandes e complexos que as técnicas e ferramentas tradicionais de processamento de dados não conseguem lidar de maneira eficiente.

Big Data é caracterizado por três principais atributos, conhecidos como os 3 Vs: Volume, Variedade e Velocidade.

Às vezes, também são considerados outros dois Vs: Veracidade e Valor.

A capacidade de analisar e extrair insights desses dados permite às empresas inovar, melhorar a eficiência operacional, e tomar decisões mais informadas e baseadas em dados.

C

Ciência de Dados

Ciência de Dados é um campo interdisciplinar que combina métodos científicos, processos, algoritmos e sistemas para extrair conhecimento e insights de dados estruturados e não estruturados.

Envolve várias disciplinas, incluindo estatística, aprendizado de máquina, mineração de dados, análise de dados e programação, para entender e analisar fenômenos complexos a partir dos dados.

As organizações utilizam a ciência de dados para melhorar a tomada de decisões, otimizar operações, criar novos produtos e serviços, e obter uma vantagem competitiva no mercado.

I

Inteligência Artificial (IA)

A Inteligência Artificial (IA) é um ramo da ciência da computação dedicado ao desenvolvimento de sistemas que podem realizar tarefas que normalmente requerem inteligência humana.

Isso inclui capacidades como percepção visual, reconhecimento de fala, tomada de decisão e tradução de idiomas.

A IA pode ser dividida em várias subáreas, incluindo aprendizado de máquina, processamento de linguagem natural, visão computacional e robótica.

A IA está transformando diversas indústrias de maneiras significativas.

Na saúde, ela é usada para analisar grandes volumes de dados de pacientes para identificar padrões e prever doenças, personalizar tratamentos e acelerar a descoberta de medicamentos.

Na área financeira, a IA é empregada para detectar fraudes, analisar riscos de crédito e otimizar estratégias de investimento.

No varejo, ela melhora a experiência do cliente por meio de recomendações personalizadas, otimização de inventário e análise de sentimentos.

Com suas capacidades de aprendizado e adaptação, a IA oferece oportunidades sem precedentes para inovação e eficiência em uma ampla gama de aplicações.

M

Mineração de Dados (Data Mining)

Mineração de dados é o processo de descobrir padrões, correlações e tendências significativas em grandes conjuntos de dados utilizando técnicas de aprendizado de máquina, estatística e sistemas de banco de dados.

Esse processo transforma dados brutos em informações úteis que podem ser usadas para apoiar a tomada de decisões em diversas áreas, incluindo negócios, saúde, ciências sociais e marketing.

A avaliação dos resultados é uma parte essencial do processo de mineração de dados. Modelos e padrões descobertos devem ser validados para garantir sua precisão e relevância.

Técnicas de validação, como validação cruzada, divisão de dados em conjuntos de treinamento e teste, e análise de métricas de desempenho (como acurácia, precisão, recall e F1-score), são utilizadas para avaliar a eficácia dos modelos.

Depois que os padrões e modelos são validados, eles podem ser implementados em sistemas de produção para fornecer insights contínuos e suportar a tomada de decisões.

Isso pode envolver a integração com sistemas de TI existentes, como plataformas de marketing, sistemas de gerenciamento de risco ou softwares de manutenção preditiva.

Modelagem Preditiva

Modelagem preditiva é uma técnica de análise de dados que utiliza dados históricos para prever eventos futuros.

Ela envolve o uso de algoritmos estatísticos e de machine learning para criar modelos que podem identificar padrões e relações nos dados e usar essas informações para fazer previsões sobre novos dados.

A modelagem preditiva é amplamente aplicada em diversas áreas, como finanças, marketing, saúde e manufatura, para apoiar a tomada de decisões informadas.

Na área de finanças, a modelagem preditiva é usada para prever o comportamento do mercado, avaliar riscos de crédito, detectar fraudes e otimizar portfólios de investimento.

Em marketing, é utilizada para segmentação de clientes, previsão de vendas, análise de churn (perda de clientes) e personalização de campanhas publicitárias.

No setor de saúde, a modelagem preditiva ajuda a prever surtos de doenças, personalizar tratamentos, melhorar a gestão hospitalar e acelerar a pesquisa de medicamentos.

Na manufatura, é aplicada para manutenção preditiva, otimização de processos de produção e controle de qualidade.

V

Visualização de Dados

A visualização de dados é a representação gráfica de dados com o objetivo de comunicar informações de forma clara e eficaz.

Essa técnica transforma dados complexos e volumosos em gráficos, tabelas e mapas visuais que facilitam a compreensão e a interpretação dos dados.

A visualização de dados é uma ferramenta essencial em várias áreas, incluindo negócios, ciência, engenharia e jornalismo, pois permite que os usuários identifiquem padrões, tendências e insights que seriam difíceis de perceber em tabelas de números.

A principal função da visualização de dados é tornar os dados mais acessíveis e compreensíveis.

Ao usar representações visuais, como gráficos de barras, gráficos de linhas, gráficos de dispersão, histogramas e mapas de calor, a visualização de dados ajuda a resumir e destacar as informações mais importantes, permitindo que os usuários tomem decisões informadas rapidamente.

As visualizações podem ser estáticas, como gráficos e mapas impressos, ou interativas, como dashboards que permitem a exploração dinâmica dos dados.

A criação de visualizações de dados eficazes requer uma compreensão dos princípios básicos de design gráfico e da percepção humana. É essencial escolher o tipo certo de gráfico ou visualização para os dados e o objetivo da análise.

Por exemplo, gráficos de barras são ideais para comparar categorias, gráficos de linhas são úteis para mostrar tendências ao longo do tempo, e gráficos de dispersão são excelentes para revelar relações entre duas variáveis.

Além disso, o uso de cores, formas e tamanhos deve ser cuidadoso para evitar confusão e garantir que a visualização seja intuitiva e fácil de interpretar.

Ao utilizar representações visuais eficazes, ela facilita a exploração, análise e comunicação dos dados, permitindo que os usuários identifiquem padrões, tomem decisões informadas e contem histórias baseadas em dados.

Diego Dias
Redator publicitário com foco em tecnologia e dados, já atuou em diversas frentes, sendo responsável hoje pelo conteúdo do informativo da Preditiva.
Continue lendo...
Glossário da Ciência de Dados
LER MAIS
O que é Machine Learning
LER MAIS
IoT e a Ciência de Dados
LER MAIS
O que faz o Analista de Dados
LER MAIS
Newsletter Preditiva
Inscreva-se e fique por dentro de tudo que acontece no mercado de análise de dados
Obrigado! Aguarde nossas notícias no e-mail escolhido.
Ops. Alguma coisa deu errado.